Região Balneário / Itajaí

Inquérito apura envio de pessoas em situação de rua de BC para Capital

Promotor Daniel Paladino também informou o desfecho do caso do ônibus vindo de Teofilândia (BA)

Autor
Inquérito apura envio de pessoas em situação de rua de BC para Capital
Foto: Divulgação

A pedido do Ministério Público de Santa Catarina (MPSC), um inquérito policial será instaurado a fim de investigar o suposto envio recorrente de pessoas em situação de rua de Balneário Camboriú para Florianópolis. Segundo o Promotor de Justiça Daniel Paladino, algumas denúncias sobre o assunto foram realizadas recentemente.

PUBLICIDADE

De acordo com Paladino, as denúncias protocoladas apontam que essas pessoas teriam sido enviadas “à força” pela Guarda Municipal de BC. Devido à recorrência e a recomendações já realizadas pelo MP, foi necessário acionar a força policial, para a abertura do inquérito.

Outras cidades

O Ministério Público informou que, apenas em abril, outras cidades catarinenses já foram alvos de denúncia envolvendo o envio de pessoas em situação de rua para Florianópolis. Além de BC, também houve registro de Rio do Sul, no Alto Vale, e Criciúma, no Sul do Estado, que já recebeu uma recomendação do MP há alguns meses.

Tivemos em abril mais um caso envolvendo o município de Criciúma. Estamos apurando se foi depois da recomendação que expedimos ao município pois, se foi depois, também teremos que tomar medidas mais duras”, afirmou Paladino.

Caso de Teofilândia (BA)

O promotor, além disso, informou o desfecho do caso do ônibus Daniel Turismo, que veio do município de Teofilândia (BA) para Florianópolis no dia 4 de janeiro com 44 pessoas que estariam, supostamente, em situação de vulnerabilidade.

A viagem gerou suspeitas pois os passageiros desembarcaram no Centro da cidade, e não na rodoviária. No entanto, segundo o que foi apurado, os eles seriam trabalhadores da construção civil em Florianópolis, que teriam feito uma viagem à Bahia, estado de origem, e estariam retornando do período de férias. A irregularidade estaria ligada, apenas, à clandestinidade do transporte.

Relacionadas