Região Grande Florianópolis

Dupla é presa depois de aplicar o golpe do bilhete premiado em SC

Crime teria sido cometido em 12 de junho contra um idoso

Autor
Dupla é presa depois de aplicar o golpe do bilhete premiado em SC
Foto: Divulgação / Polícia Civil

A Polícia Civil, em colaboração com a Agência de Inteligência da Polícia Militar Rodoviária e a Guarda Municipal de São José, conseguiu localizar e prender em flagrante, na Grande Florianópolis, dois indivíduos suspeitos de integrarem uma quadrilha especializada no ”golpe do bilhete premiado”.

PUBLICIDADE

Após a troca de informações entre as instituições, foi possível identificar que o veículo Renault Logan, utilizado em um crime de estelionato ocorrido em 12 de junho, estava novamente em Florianópolis, acompanhado de outro veículo, um Chevrolet Onix.

Durante as diligências iniciadas pela manhã, ambos os veículos foram localizados trafegando pela região do bairro Trindade e posteriormente na área Continental. Após o acompanhamento, um dos veículos foi abordado na cidade de Biguaçu, enquanto o outro tentou fugir pela BR-101, mas foi capturado logo depois pela Polícia Militar.

Um dos suspeitos foi detido no Renault Logan, onde a polícia também encontrou um bilhete de loteria supostamente premiado. O outro envolvido, contra quem havia um mandado de prisão preventiva em aberto por furto, foi capturado no Chevrolet Onix.

Os suspeitos foram encaminhados à sede da Divisão de Estelionatos da Capital. A vítima idosa do golpe do bilhete premiado reconheceu um dos veículos utilizados no crime, bem como um dos suspeitos que ainda não foi encontrado.

Os presos responderão pelos crimes de associação criminosa, estelionato, falsa identidade e direção perigosa. As investigações continuam para identificar os demais envolvidos.

Golpe do bilhete premiado

Tendo como vítimas majoritariamente pessoas idosas, ao tentarem aplicar o golpe os criminosos alegam que foram premiados com quantias milionárias, mas que não podem ficar com o valor do prêmio e por isso, decidem vender o “bilhete premiado” por um valor inferior ao prêmio. Então as vítimas acabam adquirindo o bilhete e, só depois de pagarem os valores solicitados, percebem que caíram em um golpe.

Normalmente, como justificativa para “não poder ficar com o prêmio”, os criminosos afirmam que são de uma religião na qual não é permitido receber dinheiro proveniente de jogos de azar.

Relacionadas