Região Santa Catarina

O clima na Alesc, após a mensagem anual do governador

Bruno Souza no PL, o que dizem Fabrício Oliveira e Carlos Humberto e muito mais

Autor
O clima na Alesc, após a mensagem anual do governador

O governador Jorginho Mello (PL) fez a leitura da mensagem anual na Assembleia Legislativa. O ato, constitucional, foi bem prestigiado por deputados e chefes de outros poderes.

PUBLICIDADE

Jorginho falou de forma protocolar, como esperado, focando nas ações de seu governo no primeiro ano de mandato. Destacou a importância da Assembleia Legislativa em pautas importantes e lembrou do déficit de R$ 2,8 bilhões, o que, segundo ele, fez com que o governo tivesse que adotar fortes medidas fiscais.

Outro ponto destacado pelo governador foi quanto às enchentes que castigaram o estado. Ele firmou o compromisso com o Alto Vale de desassorear o Rio Itajaí-Açu, o que tem sido reivindicado há muitos anos.

Sobre as rodovias estaduais, Jorginho falou dos trabalhos e, segundo ele, 73% estavam em péssimas condições, situação que piorou ainda mais por causa das chuvas. Lembrou que serão investidos R$ 2,1 bilhões no programa Estrada Boa e no final deste ano pretende entregar 50 rodovias restauradas e revitalizadas.

Alinhamento

A ida do governador Jorginho Mello (PL) ao parlamento finalizou em uma conversa reservada com o presidente da Alesc, Mauro De Nadal (MDB). Os dois trataram, de forma objetiva, a definição de pautas de interesses dos poderes, que vão avançar com novas rodadas de conversações.

O governo dá prioridade à aprovação do projeto para criar o fundo de capitalização do Iprev, visando diminuir o rombo das contas da previdência estadual, e quer avançar com outro projeto para viabilizar o financiamento de dragagens de rios, como o Itajaí-Açu, reduzindo riscos de enchentes em vários municípios. Na Assembleia, o pacote de projetos que visa ampliar a segurança nas escolas, apresentado no final de 2023, depende do apoio governamental para ser viabilizado.

O fundo de capitalização do Iprev depende de licenças para o Executivo negociar muitos dos mais de 5 mil imóveis de propriedade do Estado que não são utilizados. O governador vê nessa estratégia uma fonte de recursos para reduzir o rombo mensal das contas do Iprev, de R$ 600 milhões mensais.

A proposta de dragagens de rios ainda está em fase de formatação, mas depende de financiamentos a serem contratados, com autorização do legislativo. Já os 10 projetos sobre segurança nas escolas foram apresentados na Assembleia Legislativa ao final de um longo processo que envolveu muitos debates e as participações de mais de 30 entidades, mas muitos precisam, para se tornar realidade, contar com a efetiva participação e apoio do governo.

O presidente da Assembleia está otimista. Mauro De Nadal esteve com o governador na semana anterior, quando abriu encaminhamentos sobre o ano legislativo.

“Muitos projetos são debatidos por meses antes de avançar, até mesmo de chegar ao parlamento. Há um trabalho que respeita a independência dos poderes, mas num processo harmônico, que envolve sintonia com o que é melhor para a população”, diz o presidente da Alesc.

Da conversa no gabinete da presidência da Alesc, também participaram o vice-presidente Maurício Eskudlark (PL), o líder do governo Carlos Humberto Silva (PL) e os deputados Delegado Egídio Ferrari (PTB) e Oscar Gutz (PL).

Souza no PL

Foto: Anna Cazatti

A direção do Novo confirmou a saída do ex-deputado estadual Bruno Souza do partido e tem como certa a sua filiação ao PL numa articulação feita por Bruno Mello, filho do governador Jorginho Mello, que preside os liberais em Florianópolis. A carta de Souza anunciando a saída do Novo foi comemorada pela direção do PL.

O que dizem Fabrício e Carlos Humberto

Ontem na Assembleia Legislativa, o prefeito de Balneário Camboriú Fabrício Oliveira (PL) foi categórico ao me dizer que o deputado estadual Carlos Humberto Silva (PL) deve permanecer no parlamento. De acordo com Fabrício, Silva firmou um acordo em troca de apoio na eleição de 2022, de que ficaria na Alesc até o fim do mandato.

À noite, recebi a seguinte mensagem de Carlos Humberto em resposta ao que escrevi ontem sobre a disputa: “O Rubens foi um grande Prefeito de Balneário Camboriú no tempo dele, e ajudou muito na administração do Fabrício e Carlos Humberto, mas muito tempo já passou e novas lideranças surgiram, que talvez também mereçam a mesma oportunidade. O Fabrício é do meu partido, tenho certeza que terá um entendimento em torno do melhor nome para cidade continuar evoluindo, sem por em risco a eleição, estando meu nome à disposição do 22”, escreveu.

Filiações ao MDB

O MDB fará algumas filiações nas próximas semanas. A de maior impacto é a do deputado estadual Delegado Egídio Ferrari, que deverá disputar a Prefeitura de Blumenau.

Além dele, também se filiarão a prefeita de Três Barras Ana Cláudia Quege, o prefeito de Mafra, Emerson Mazzo, e o prefeito de Calmon, Hélio Olenka. Quem também está em conversa com o partido é o ex-deputado Rodrigo Coelho (Podemos). Se ele se filiar ao MDB, será o nome do partido na disputa à Prefeitura de Joinville.

Fórum parlamentar

O deputado federal Valdir Cobalchini (MDB) tomou posse ontem como o novo coordenador do Fórum Parlamentar Catarinense. Ele apresentou um plano de trabalho onde defende que a sociedade seja ouvida pelos parlamentares em todas as regiões do Estado.

“Temos alguns gargalos em nosso Estado que precisam da mão forte do Governo Federal e o Fórum é a melhor instância para defendermos essas ações. Vamos trabalhar de forma unida para buscar soluções”, declarou.

Marcelo Lula é jornalista e radialista. Atuou em emissoras de rádio e jornais no Rio Grande do Sul e em Santa Catarina. Atualmente, faz comentários na Condá FM de Chapecó e na Rede Guararema de Rádios.

O jornalista tem se destacado por furos de fatos de grande repercussão em Santa Catarina, além de matérias investigativas e revelações dos bastidores de importantes investigações e da política.

Relacionadas