Região Balneário / Itajaí

Vídeo: médica viraliza com explicação didática sobre a dengue

Ana Flávia Quirino agradou internautas com mensagem explicativa

Autor
Vídeo: médica viraliza com explicação didática sobre a dengue
Ana Flávia: viralizou com seu video. Foto: reprodução / divulgaçãoi

Em meio a maior epidemia de dengue da história do Brasil, todos os setores públicos se mobilizam para combater o mosquito transmissor e também garantir atendimento aos pacientes mais graves. Além disso a vacina já está em aplicação nas faixas etárias mais vulneráveis. Nesta segunda-feira (4), um vídeo chamou a atenção nas redes sociais onde uma médica de uma pequena cidade do interior de Minas Gerais apresenta informações sobre a doença com muita didática. Trata-se da doutora Ana Flávia Quirino, médica numa unidade de saúde municipal em Bom Despacho (MG). Confira:

PUBLICIDADE

O número de mortes em Santa Catarina decorrentes da dengue chegou a 13 pessoas, sendo nove delas em Joinville. O estado tem 25.984 casos prováveis da doença, transmitida pela picada do mosquito Aedes aegypti. O número de focos do mosquito em todo o estado passou dos 17 mil.

Os governos federais, estaduais e municipais se mobilizam para combater a epidemia. No sábado (2) ocorreu o chamado Dia D da vacinação em todo o Brasil, com diversos mutirões de imunização.

No vídeo com quase cinco minutos de duração, Ana Flávia repassa informações que ainda não são do conhecimento do grande público, como por exemplo a contra-indicação do uso de medicamentos antinflamatórios em pacientes com dengue. Isso inclui pomadas usadas para cicacrização de ferimentos ou mordidas de insetos, como a Nebacetin, vendida sem prescrição médica.

Ana Flávia ainda expõe de maneira bem simples como funciona a contaminação, e os horários do dia em que a fêmea do mosquito costuma procurar pelas vítimas, em busca de sangue para se alimentar.

Médica alerta

Ana Flávia também reitera a importância da hidratação principalmente durante a etapa da febre, nos oito primeiros dias dos sintomas. Além da água, o paciente também deve ingerir o chamado soro, que pode ser feito em casa, com água, açúcar e sal.

Relacionadas