Região Blumenau

Blumenau registra queda no número de analfabetos

As informações são do Censo de 2022 do IBGE, divulgadas nesta semana

Autor
Blumenau registra queda no número de analfabetos
Foto: Marcelo Martins / Arquivo

Foi divulgado nesta semana pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) novos dados do recenseamento demográfico feito em 2022. As informações atualizadas se concentram na população com idade a partir de 15 anos, abordando tanto os alfabetizados quanto os analfabetos.

PUBLICIDADE

Para o IBGE, são consideradas analfabetas as pessoas que, mesmo tendo aprendido a ler e escrever, perderam essa habilidade, além daquelas que só conseguem assinar o próprio nome. Em Blumenau, nos últimos anos, observou-se uma redução desses números.

Segundo o censo de 2022, de uma população total de 361.261 habitantes, 4.175 são classificados como analfabetos, o que corresponde a 1,39% da população. Em comparação com o censo de 2010, quando cerca de 1,77% da população era considerada analfabeta, houve uma diminuição de 0,38% ao longo de uma década. Naquela época, Blumenau ocupava a quarta posição entre as cidades de Santa Catarina com menor número de analfabetos.

Quanto à população alfabetizada, esta representa 98,61% do total. Blumenau está em 17º lugar no ranking nacional entre as cidades com maior taxa de alfabetização e em 7º lugar no estado de Santa Catarina.

Dentre os municípios brasileiros com população entre 100 mil e 500 mil habitantes, Blumenau ocupa a 3ª posição, ficando atrás apenas de São Caetano do Sul, em São Paulo, e Balneário Camboriú, ambas com 1,2% da população analfabeta.

Taxas de alfabetização em Blumenau

  • Na população indígena, a taxa de analfabetismo é de 2,88%, o que corresponde a aproximadamente 9 pessoas. Já a taxa de alfabetização é de 97,12%, representando cerca de 304 pessoas.
  • Por faixa etária, o maior percentual de alfabetizados é encontrado na faixa dos 25 aos 34 anos, com 99,52%, seguido pelas faixas dos 20 aos 24 anos, com 99,44%, e dos 15 aos 19 anos, com 99,34%.
  • A menor porcentagem de alfabetizados está entre os idosos com mais de 80 anos, com um percentual de 92%, seguido pela faixa etária de 75 a 79 anos, com 93,23%, e de 65 a 74 anos, com 95,36%.
  • Por gênero, os homens apresentam uma porcentagem ligeiramente maior de alfabetizados, com 98,66%, enquanto as mulheres representam 98,56% dos alfabetizados.

Dados do Brasil e de Santa Catarina

Em 2022, o Brasil tinha uma população de 163 milhões de pessoas com 15 anos ou mais, das quais 151,5 milhões sabiam ler e escrever um bilhete simples e 11,4 milhões não sabiam. Isso significa que a taxa de alfabetização foi de 93% em 2022, com uma taxa de analfabetismo de 7% deste contingente populacional. No Censo de 2010, as taxas de alfabetização eram de 90,4% e as de analfabetismo eram de 9,6%.

Entre as unidades da federação, as maiores taxas de alfabetização foram registradas em Santa Catarina, com 97,3%, e no Distrito Federal, com 97,2%, enquanto as menores foram observadas em Alagoas, com 82,3%, e no Piauí, com 82,8%.

Relacionadas