Região Mundo

Empresa de Elon Musk implanta chip em cérebro humano

Paciente está se recuperando bem, disse o fundador da empresa

Empresa de Elon Musk implanta chip em cérebro humano
Milionário Elon Musk. Foto: divulgação

O primeiro paciente humano recebeu no domingo (28) um implante da empresa de chips cerebrais Neuralink, que pertence ao megaempresário Elon Musk. O paciente está se recuperando bem, conforme um boletim médico divulgado nesta terça (30).

PUBLICIDADE

“Os resultados iniciais mostram detecção promissora de picos de neurônios”, afirmou Musk na rede social X (antigo Twitter), da qual é o atual proprietário. Os picos a que ele se refere são atividades dos neurônios, que o Instituto Nacional de Saúde dos Estados Unidos (EUA) descreve como células que usam sinais elétricos e químicos para enviar informações ao cérebro e ao corpo.

No ano passado, a Agência de Alimentos e Medicamentos dos EUA (FDA, na sigla em inglês) autorizou a empresa a realizar o primeiro estudo para testar o implante em seres humanos, um marco fundamental nas ambições da startup. Em setembro, a Neuralink informou que recebeu aprovação para o recrutamento de voluntários para o teste em humanos.

O estudo usa um robô para colocar cirurgicamente um implante de interface cérebro-computador (BCI) em uma região do cérebro que controla a intenção de se mover, disse a Neuralink anteriormente. Acrescentou que seu objetivo inicial é permitir que as pessoas controlem um cursor ou teclado de computador usando apenas seus pensamentos.

Telepathy

Os fios “ultrafinos” dos implantes ajudam a transmitir sinais no cérebro dos participantes, explicou a Neuralink. O primeiro produto da empresa se chamará Telepathy, disse Musk.

O experimento é um teste de sua interface cérebro-computador sem fio para avaliar a segurança do implante e do robô cirúrgico. A Neuralink não comentou o assunto.

A empresa tem enfrentado pedidos de análise em relação a seus protocolos de segurança. A Reuters informou, no início deste mês, que a empresa foi multada por violar as regras do Departamento de Transportes dos EUA (DOT) com relação à movimentação de materiais perigosos.

A empresa foi avaliada em cerca de US$ 5 bilhões em junho passado. Quatro parlamentares norte-americanos, no entanto, pediram à Comissão de Valores Mobiliários, no fim de novembro, que investigasse se Musk havia enganado investidores sobre a segurança de sua tecnologia depois que registros veterinários mostraram problemas com os implantes em macacos, incluindo paralisia, convulsões e inchaço cerebral.

Musk escreveu em rede social, em 10 de setembro, que “nenhum macaco morreu como resultado de um implante Neuralink”. Acrescentou que a empresa escolheu macacos “terminais” para minimizar o risco para animais saudáveis.

Com informações da Agência Brasil

Relacionadas