Região Santa Catarina

Alta do dólar impacta compra de insumos pela indústria catarinense

FIESC destaca aumento de custos de produção em setores relevantes para o setor

Autor
Alta do dólar impacta compra de insumos pela indústria catarinense
Foto: divulgação

Com 13,4%, a desvalorização do real frente ao dólar nesse ano até junho foi a quinta maior do mundo, de acordo com a Austin Ratings. Com a cotação da moeda americana subindo ainda mais desde o fim do mês passado, o economista-chefe da Federação das Indústrias de SC (FIESC), Pablo Bittencourt, faz um alerta. De acordo com ele, o primeiro impacto da alta do dólar no câmbio se dá sobre produtos e insumos importados que não possuem substitutos de fabricação nacional.

PUBLICIDADE

Para a indústria catarinense, o reflexo primário se dá na compra de matéria prima para setores relevantes para a indústria de transformação no estado. Além disso, também afeta insumos agrícolas, como adubos e fertilizantes. “Os segmentos mais intensivos em tecnologia são bastante afetados. Sobretudo os setores de máquinas e equipamentos, aparelhos elétricos, peças para veículos e eletrônicos. Mas não são os únicos”, explica Bittencourt.

Outro segmento fortemente impactado é o de medicamentos. ”Os remédios e fármacos são parte relevante da pauta de importações brasileiras. E a alta do dólar tem um efeito imediato sobre os preços, que afetam sobretudo a população mais idosa”, destaca o economista.

Alta do dólar interfere no preço dos combustíveis

Como o Brasil importa boa parte do petróleo que consome, uma desvalorização por maior tempo tende a impactar no preço do petróleo praticado no Brasil, com efeitos não apenas a combustíveis, mas também a produtos derivados, como plásticos – que afetam o setor de embalagens, por exemplo. Repassados ao consumidor, estes preços acabam elevando o valor dos fretes. “O aumento dos combustíveis acaba gerando um efeito em cascata. Combinado com o aumento dos preços dos produtos e componentes importados, pode levar a uma pressão inflacionária”, afirma Bittencourt.

O economista-chefe da FIESC explica que a continuidade da desvalorização do real frente ao dólar tem impactos indiretos. “Uma taxa de câmbio a R$ 5,7 por U$ 1 é inflacionária, o que acaba justificando até um aumento da taxa de juros pelo COPOM ainda neste ano, com impactos para toda a economia do Brasil. Nesse sentido, apenas ações claras de ajuste fiscal nas despesas poderiam reverter consistentemente essa tendência negativa”, salienta ele.

Relacionadas