Região Grande Florianópolis

Carnaval: apuração acaba em confusão e acusações de racismo

Mulher relata ter sido chamada de macaca pelo presidente da escola campeã

Carnaval: apuração acaba em confusão e acusações de racismo
Foto: Divulgação

Confusão e relatos de racismo e agressão: assim se encerrou a apuração dos votos que tornou a União da Ilha da Magia bicampeã do Carnaval de Florianópolis, na noite desta segunda-feira (12).

PUBLICIDADE

Uma das integrantes da agremiação da Unidos da Coloninha, Franciele Cristina Rebelo, relatou ter se aproximado do presidente da escola campeã durante a confusão, e falado sobre a falta de respeito com a agremiação, que teria ficado em terceiro lugar. Em resposta, segunda ela, Rafael Braz de Souza a teria chamado de “macaca”.

Em contrapartida, a escola vencedora nega as acusações. Além disso, o ex-presidente da escola, Valmir Braz de Souza, pai do presidente atual, afirma que o filho sofreu agressão por parte de pessoas que não aceitaram o resultado da votação.

Sem citar nomes, ele afirmou ter solicitado reforço policial para a comemoração da escola após a vitória, por conta de ameaças. “Pegaram nosso presidente e bateram no rosto, tentaram quebrar nosso troféu. Nossa disputa é na avenida, somos coirmãs. Fomos acusados de racismo, em momento nenhum fizemos comentários racistas“, pontuou.

Desfile desta terça

Em razão das acusações, a União da Ilha da Magia pode não participar do desfile das escolas campeãs, que deve ocorrer nesta terça-feira (13). A diretoria da escola afirmou estar em contato com a Liga das Escolas de Samba de Florianópolis (Liesf) para tratar do assunto.

Coloninha lamenta

Em nota, a escola Unidos da Coloninha lamentou a confusão e afirmou que a diretoria não está ciente de agressões por parte de integrantes da escola. Leia:

“A Direção da SRC Unidos da Coloninha lamenta profundamente os fatos ocorridos após a apuração dos desfile das escolas de samba, na tarde desta segunda-feira.

De acordo com as versões recebidas, desconhecemos qualquer agressão realizada por componentes da escola, porém temos conhecimentos de atos relacionados inclusive a racismo durante a briga.

As pessoas lesadas já procuraram os meios competentes para encaminhar o ocorrido, onde desejamos que as autoridades policiais tomem todas as medidas necessárias.

A SRC Unidos da Coloninha repudia qualquer ato de violência, mas entende que após um resultado injusto os ânimos tenham ficado exaltados, não havendo qualquer incitação da agremiação nesse sentido”.

Relacionadas