Região Brasil

Cobras podem gritar? Pesquisadores brasileiros gravam pela 1ª vez o canto de serpente

Cientistas filmavam répteis numa trilna na Amazônia quando foram surpreendidos pelo som da dormideira

Cobras podem gritar? Pesquisadores brasileiros gravam pela 1ª vez o canto de serpente
Foto: Uol / divulgação

Pesquisadores do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Onpa) conseguiram registrar pela primeira vez na América Latina o som gutural emitido pelas serpentes. Eles obtiveram registros em áudio que mostram o que seria uma espécie de canto emitido por uma cobra conhecida como papa-lesma ou dormideira (Dipsas catesbyi), nativa da América do Sul. A descoberta foi publicada na revista científica Acta Amazônia, publicada pelo Instituto. Confira o vídeo:

PUBLICIDADE

Segundo os cientistas , o registro foi feito por acaso, durante uma trilha noturna na Amazônia em busca de sapos e serpentes. Os pesquisadores tentavam registrar em vídeo o hábito da cobra, que não é venenosa, de esconder a cabeça embaixo do corpo.

“Encontramos essa cobrinha na trilha e eu tive a ideia de filmar para fazer um material para o Projeto Suaçuboia (o qual sou fundador e diretor) sobre como as serpentes não são esses animais mortais e horríveis que as pessoas pensam. Contudo, quando peguei a cobrinha na mão ela deu um pequeno grito”, salientou o pesquisador Igor Yuri Fernandes.

Professor Igor Yuri Fernandes. Foto: divulgação

Os pesquisadores estavam filmando um exemplar do sexo masculino quando foram surpreendidos pela emissão do que chamaram de “grito”. O vídeo foi divulgado nas páginas do Projeto Suaçuboia, criado por pesquisadores envolvidos no estudo.

“O canto teve duração de 0,06 segundo, atingindo 3036 Hz em sua frequência de pico com nota modulada, emitida por meio da exalação de ar pela laringe”, escreveram os pesquisadores no artigo científico. Eles acreditam que as emissões vocais estruturadas como essaq que foi registrada são são uma reação instintiva de autodefesa contra a predação e podem ser uma característica compartilhada por outras espécies de Dipsadidae e outras serpentes.

Papa-lesma ou dormideira (Dipsas catesbyi), nativa da América do Sul. Foto: divulgação

Os especialistas acreditam que a vocalização seja um resquício evolutivo dos lagartos — grupo mais próximo ao da serpente e que possui um repertório vocal bem conhecido e variado.

Embora esta tenha sido a primeira vez que cientistas registram um som emitido por uma cobra na América Latina, já existem registros de vocalizações de outras espécies de serpentes em diferentes partes do mundo, como América do Norte e Ásia.

Relacionadas