Região Brasil

Afogamentos são a segunda maior causa de mortes entre crianças no Brasil 

Especialista dá dicas e alerta a população sobre acidentes aquáticos

Afogamentos são a segunda maior causa de mortes entre crianças no Brasil 
Foto ilustrativa / Arquivo

Recentemente, acidentes em piscinas, mar e cachoeiras têm chamado atenção da população e também de especialistas. Uma pesquisa da Sociedade Brasileira de Coluna (SBC) revela que mergulhos em águas rasas são a segunda principal causa de lesões medulares no Brasil durante o verão, após os acidentes de trânsito.

PUBLICIDADE

Já de acordo com a Sociedade Brasileira de Salvamento Aquático (Sobrasa), a cada uma hora e meia, um brasileiro morre afogado. Destes, 59% são crianças de um a nove anos de idade e em piscinas. No Brasil, os afogamentos são a segunda maior causa de mortes e a sétima de hospitalização por motivos acidentais entre crianças, segundo a ONG Criança Segura.

Com o aumento do calor, muitas pessoas aderem a lugares frescos, como rios e cachoeiras. E é nesta época do ano que são registrados os maiores números de acidentes que podem, inclusive, levar uma pessoa a perder os movimentos de braços e pernas e até a morte durante banhos e mergulhos, alerta a neurocirurgiã Danielle de Lara, que atua no Hospital Santa Isabel, em Blumenau.

“Ao mergulhar em rios e cachoeiras não é possível ter a noção da profundidade, com isso, em caso de locais rasos as pessoas acabam muitas vezes, batendo a cabeça em pedras ou até mesmo no fundo, agravando o quadro de saúde e podendo causar traumatismo craniano ou até mesmo uma fratura de coluna. Por isso a prevenção é o melhor caminho para evitar esse tipo de acidente”.

Dicas de como evitar acidentes aquáticos

Para não deixar o lazer e a diversão de lado, a especialista compartilha algumas dicas para prevenir qualquer tipo de acidente aquático. São elas:

– Conhecer a profundidade do local, principalmente em lugares que possuem pedras, como rios, cachoeiras e costão do mar;

– Observar se há salva-vidas por perto. Caso não tenha, pedir para familiares ficarem atentos e /ou evitar ir longe ou fundo;

– Para as piscinas, observar que o motor está desligado, assim evitará problemas de sucção;

– Evitar ingerir bebidas alcoólicas e alimentos pesados antes de entrar na água;

– Evitar saltar de cabeça e ficar atento com saltos em beiradas de piscinas, trampolins e afins;

– Crianças sempre devem estar supervisionadas por um adulto;

– Não superestime sua capacidade de nadar, caso não saiba nadar, não vá para o fundo.

Caso ocorra algum acidente, Danielle orienta que o procedimento a ser feito é checar os sinais vitais, ou seja, respiração, batimentos cardíacos e nível de consciência. “Caso a pessoa esteja sonolenta, ou comece a ficar mole, respondendo pouco, é importante levá-la a um serviço de urgência em hospital. Nesse momento a avaliação médica é de extrema importância, especialmente se houve pancadas na cabeça”.

A especialista ainda explica que se a criança apresentar dor de cabeça e vômitos também é importante levá-la ao médico o mais rápido possível. “No momento do acidente todos querem ajudar, mas é preciso ter muito cuidado, pois a manipulação da pessoa realizada de forma incorreta pode piorar qualquer tipo de lesão”, alerta.

Relacionadas